Em plenária realizada na sede da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG), no Centro de Belo Horizonte, na tarde de segunda-feira (15), dirigentes sindicais CUTistas e representantes dos movimentos sociais debateram e deliberaram sobre a Jornada de Lutas de 2018, que começa neste mês de janeiro.

As primeiras ações do ano serão em defesa da democracia e do direito de Lula ser candidato. Além das mobilizações em Belo Horizonte e no interior do Estado, Minas Gerais será representada em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, onde está marcado o julgamento do ex-presidente pelo Tribunal Regional Federal, na próxima quarta-feira (24). As manifestações também acontecerão no restante do país.

Antes de iniciar a Plenária desta segunda-feira (15), os representantes das entidades e movimentos sociais, atendendo a pedido da presidente da CUT/MG, Beatriz Cerqueira, fizeram uma homenagem a Paulo Henrique Rodrigues dos Santos, conhecido como PH, que morreu na semana passada. A secretária da Comunicação da Central, Rosângela Soares Costa, lembrou, emocionada, o legado de luta de PH pelos técnico-administrativos como dirigente sindical.

A Plenária também se posicionou contra a relação que o governo do Estado vem mantendo com os servidores públicos, contra o parcelamento do pagamento do 13° salário, o adiamento do início do ano letivo, o fechamento da Unidade Ortopédica do Hospital Galba Velloso e as pressões da Cemig para retirar direitos de eletricitárias e eletricitários na Campanha Salarial.

Conforme encaminhamentos deliberados na Plenária, na sexta-feira (19), militantes e dirigentes de entidades sindicais vão panfletar publicação do Brasil de Fato, sobre o julgamento, nas estações do metrô e de ônibus e nos principais pontos da capital mineira, para dialogar com a população sobre o julgamento, cujo resultado é considerado decisivo para as lutas da classe trabalhadora e do povo brasileiro contra o golpe.

No dia 22 de janeiroserá realizado Ato dos Juristas, às 18 horas, na Escola de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na Praça Afonso Arinos. Na terça-feira (23), a partir das 17 horas, na Praça Afonso Arinos, acontece o ato de rua. Na quarta-feira (24), vai ser realizada uma vigília, para acompanhar o julgamento, a partir das 9 horas, na Praça da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Manifestações estão sendo articuladas no interior, entre elas atos e vigília em Juiz de Fora. De Belo Horizonte e das regiões do Estado, sairão caravanas para se unir aos manifestantes que estarão em Porto Alegre para impedir a continuidade do golpe e para lutar em defesa da democracia e do direito de Lula à candidatura à Presidência da República.

A organização das lutas de 2018 continuará com a próxima Plenária da CUT/MG, programada para o dia 30 de janeiro, na sede da Central, quando serão debatidas as próximas ações contra a pauta golpista, que terá em sequência, em fevereiro, a reforma da Previdência.