Ao longo desta semana, populações afetadas por barragens em todo o País se reunem no 8º Encontro Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens, no Rio de Janeiro. São centenas de pessoas que lutam por direitos e por um outro modelo energético, soberano e popular.

Esse ano, Minas Gerais continua sendo um dos principais temas do encontro e, na manhã desta segunda-feira (2), a programação começou com um ato denunciando a impunidade da Vale na tragédia que, há dois anos, deixou 19 mortos em Mariana (MG). O rompimento da barragem da Samarco e da Vale na cidade foi considerado o maior desastre ambiental da história do Brasil.

"Hoje começamos nosso encontro dando o recado da impunidade, da injustiça e colocando a pauta de atingidos a nível nacional, e Mariana é o que temos de mais concreto e que prova a contra o capital vigente em todo o nosso território. É a contradição da exploração da força de trabalho dos trabalhadores e da loucura de expandir o projeto de mineração com a retirada de todos os nossos bens naturais, inclusive de forma assassina", disse a representante da direção nacional do MAB, Soniamara Maranho.

Além disso, Minas Gerais é o estado com a maior delegação no encontro: são mais de 1.000 pessoas. Também há representantes de outros movimentos sociais no encontro, trabalhadores de diversas categorias, em especial às ligadas à energia (elétrica, petróleo e água) e também uma delegação estrangeira formada por 80 pessoas de movimentos de 19 países.

Soberania nacional

Um dos temas do 8º Encontro Nacional do MAB é a discussão sobre um novo projeto de energia que seja popular e soberano. Nesta segunda-feira, os debates sobre o tema ocorrerão com a participação da Plataforma Operária e Camponesa de Energia, que reúne movimentos sociais e sindicatos de trabalhadores do setor de energia.

"Hoje, há a necessidade de construírmos esse projeto energético popular e, ao mesmo tempo, dialogar com a sociedade para mostrar que os atingidos são vítimas desse modelo que temos hoje. Mas, vítimas também devem se organizar para construir o projeto que eles sonham. Então, nós estamos debatendo isso no nosso encontro".

Ainda sobre a questão da soberania energética, o MAB e também trabalhadores da Petrobrás farão na terça-feira (3) um ato em defesa do pré-sal e contra a privatização da estatal, que comemora 64 anos nesta data. "O pré-sal é para saúde, educação, reforma agrária, a dívida histórica com os atigidos, transporte público, cultura e tudo aquilo que é bem público do povo brasileiro porque toda a riqueza é feita pelas mãos dos trabalhadores e deve ser usufruído por eles".

Encontro Nacional dos Atingidos por Barragens

O 8° Encontro Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens acontece até o dia 5 de outubro de 2017 e reúne cerca de 3.500 atingidos de todo o Brasil e representantes de 19 países, no Terreirão do Samba, no Rio de Janeiro. O tema desse ano é Água e Energia como Soberania, Distribuição da Riqueza e Controle Popular.

Após o Encontro, o MAB promoverá nos dias 6, 7 e 8 um seminário internacional com toda delegação estrangeira e a coordenação do movimento no Brasil, além de representantes da Plataforma Operária e Camponesa de Energia, também no Rio.