“As mulheres não podem ter menos direitos que nós pelo simples fato de serem mulheres“. Assim começa a nota que emitiu recentemente a seleção de futebol da Dinamarca que vem lutando junto com a seleção feminina para que ambas equipes nacionais recebam o mesmo salário. “É por isso que oferecemos reduzir 500.000 coroapor ano de nosso salário para que a Federação de Futebol Dinamarquesa dê esse valor à seleção feminina  e assim tenha os mesmos direitos que nós“.

O meiocampista Simon Kjær, capitão da seleção dinamarquesa e atual jogador do Sevilla FC, que já participou em várias campanhas contra a homofobia no esporte, explicou que após tantos meses de ‘impasse’ em relação aos salários das jogadoras da equipe nacional, que estão brigando desde dezembro do ano passado por terem um salário melhor, a Federação de Futebol Dinamarquesa deve agora aceitar o acordo como solução ao conflito, porque, assim, o salário das mulheres será “idéntico à base contratual” que os homens têm.

Foto: EFE.

Tradução: Tali Feld Gleiser, para Desacato.info

Fonte: El Confidencial